O que me aconteceu aos 40 anos de idade?

Em P40 por perdidoaos402 Comentários

Eu olhei para o espelho e soltei um grito.

Não, não era pelos pés de galinha, marcas de expressões ou cabelos indo embora, nem mesmo pelos fios brancos aparacendo.

Gritei algo mais profundo, gritei pela falta de vida, de propósito. Encarei meu reflexo no espelho e percebi algo que minha mente já gritava há tempo: Eu não estava feliz.

Eu, aos 40, tinha um apartamento quitado, um carro zero na garagem e sociedade em 3 empresas, fora as outras 1967 coisas que fazia ao mesmo tempo.

Entrei no meu quarto, abri meu armário e sentei-me cansado na cama encarando aquele universo de coisas onde 70% eram totalmente desnecessárias, estava tendo uma crise existencial. Peguei uma mala, na verdade foram 3, entre malas e sacolas, enchia-as com tudo que consegui retirar do armário, deixando o básico, das 6 gavetas da cômoda que mal fechavam pela quantidade de roupas, 3 ficaram vazias, assim como também ficou um lado inteiro do guarda-roupas de casal , junto foram sapatos, tênis, meias… Cada peça retirada abria um espaço no meu peito. Peguei o carro e fui levar minha doação, senti-me imediatamente mais leve.

Agora era a hora de fazer o mesmo com a minha alma, doar, abrir espaço.

Coloquei o carro a venda, coloquei os móveis a venda e depois coloquei o apartamento a venda. Comprei uma passagem para a Europa para ficar 50 dias. Essa decisão acabou me levando para fora do Brasil por 3 anos e 2 meses. Com a passagem comprada, sentado no quarto que estava ocupando na casa do meu irmão mais novo eu respirei fundo, medo, óbvio. O que eu estava fazendo com a minha vida? Que decisão maluca era aquela. Minha família, assistindo tudo, ficou igualmente confusa comigo mas, eu precisava fazer algo por mim, aquela era a hora. No dia marcado parti.

Vazio de coisas materiais mas com espaço suficiente, no peito, para completar com coisas novas, precisava encontrar um novo propósito. Precisava descobrir um caminho para um Perdido aos 40 encontrar a felicidade. Ouvia algumas poucas pessoas dizendo que o que buscava estava dentro de mim, eu não entendia, olhava para dentro, do meu jeito confuso, sem entender técnicas, sem saber em que buraco olhar e não encontrava nada, estava escuro. Chorei muito lá fora mas, minha alma me mandava continuar, assim me entreguei nas experiências que foram aparecendo, conhecendo cada vez mais pessoas, vivendo coisas que nunca imaginei um dia viver, passei um período triste, até cheguei a pensar que estava, mais uma vez, fazendo tudo errado, ouvi meu irmão mais velho dizer que não sabia como eu seria feliz se quando estava no Brasil e tendo tudo que tinha não havia encontrado a felicidade:

-Se isso não te fez feliz, me pergunto o que fará?

Trabalhei, amei, sofri por amor mais uma vez, era tudo tão confuso que me entreguei numa relação sem futuro. Viajei para diversos países e, um dia deitado em cima de uma duna no deserto do Saara, observando o céu mais estrelado que já vi na vida, contando estrelas cadentes de 20 em 20 segundos, resolvi que iria mudar tudo, novamente.

Parti para os Estados Unidos, fiquei 5 meses, no início chorei, depois comecei a reencontrar o Perdido, comecei a notar que as experiências que havia tido até então me guiavam de uma maneira diferente, passei um tempo sem me olhar no espelho por não gostar do reflexo mas, pouco tempo depois comecei a me namorar no espelho, não por vaidade, mas porque via o reflexo de um cara legal.

Resolvi partir novamente, dessa vez para ásia, me doar, doei amor ensinando inglês para crianças perto do Camboja, recebi doses generosas de mais amor, aquele espaço vazio no meu peito foi se preenchendo com luz, com energia, com presença, com paz de espirito e muito conhecimento de qualidade. Eu sabia que a vida era mais do que aquilo que estava vivendo antigamente, tinha que ser, eu não conseguia ser mais um conformado que simplesmente aceita a situação porque as coisas são assim, eu não conseguia e nem consigo ser aqueles que dizem “seja o que Deus quiser” pois isso significava continuar parado aceitando a situação. Parece que gritava para Deus “Seja o que Deus quiser” e Ele me respondia “Serei o que você quiser”. E, se você não quer muito, não terá muito, não falo de dinheiro e de riquezas, falo de amor, de sucesso, de prosperidade, de propósito. Percebi que o Universo responde ao menor esforço que fizermos. Não tem como colher morangos se plantamos batata, teremos da vida aquilo que plantamos todos os dias.

Aprendi o valor do “xiuuuu”, calar meus pensamentos, calar minhas críticas e julgamentos, aprendi que a diversidade é fantástica e com isso comecei a me relacionar com todas as pessoas, independente de crenças, sexualidade, classe social, raça etc. Senti-me engrandecido com isso e conheci pessoas incríveis por todos os lugares. Ouvi histórias de vida de pessoas de 18 aos 70 anos, sentado no topo de um vulcão em atividade em Bali ouvi história de superação, enquanto tomava um chocolate quente junto com uma portuguesa que conheci na subida. Em Kuala Lumpur passei horas conversando com um americano de quase 70 que teve sua mansão, gigantesca no Hawaii, destruída pelo fogo e que depois percebeu que aquilo foi a melhor coisa que lhe aconteceu pois sentia-se livre para ir para onde quisesse.

Eu, quando me desfiz de tudo, livrei-me de uma âncora, da desculpa de não poder ir por ter que cuidar disso ou daquilo, aprendi a não me vitimizar e ser 100% responsável por tudo que vivo. Hoje, numa conversa rápida, reconheço inúmeras crenças limitantes nas pessoas, dou conselhos, se estiverem abertas a recebê-los, caso contrário apenas sorrio e sigo minha estrada.

Estou aqui, agora, amanhã não existe ainda. Meu resumo do dia é que estou vivo, feliz, completo, com significado, com propósito, com a mente bombando de coisas novas, repleta de espaços para preencher com novas experiências, aprendendo sempre mais, convivendo, amando, doando e sabendo receber.

Abra os olhos, abra a mente, olhe ao seu redor com atenção e veja se esta onde gostaria de estar, vivendo a vida que gostaria, lembre-se que você chegou até aí pelo seu próprio esforço e será ele, também, que irá fazê-lo mudar, caso queira. Respire profundo, medite todos os dias e faça a mudança acontecer de dentro para fora. Nós todos tempos esse poder.

Esteja aqui, agora.

Perdido aos 40

Comentários

  1. Matheus Magalhães

    Muito lindo!! Cada vez que leio seus posts é uma sensação diferente que sinto, uma mistura homogênea de alegria regadas à lágrimas de existência e admiração. Palavras que arrepiam. Congratulations!! ❤

    Ps: esperando mais estórias serem desbravadas.

    Att.

    Matheus.

  2. Patrícia Salles

    Nossa que texto! Veio mesmo a calhar…estou entrando numa fase de mudança novamente na minha vida. Bjs

Enviar comentário