Quem fala mais alto, você ou seus medos?

Em P40 por perdidoaos400 Comentários

Algo novo começa a surgir em sua vida, algo bom, algo que estava preparado para você e que viria de qualquer forma, mas então enquanto esse algo se aproxima, você começa com seus boicotes naturais.

Isso não é para mim. Eu não mereço. Não quero mais. Estou com medo. Vou me machucar. Vai dar errado. Somos tão diferentes. Quero minha liberdade. E por aí segue uma lista enorme.

Não é você racionalmente falando, são seus medos gritando, mas na realidade:

Os barcos estão seguros no porto, mas não foram para isso que foram feitos”’ – William Shedd.

Podemos estar seguros no conforto de nosso lar e de nossa rotina, mas o ser humano não ira crescer assim, continuara uma eterna criança mimada debaixo das asas da proteção se não, simplesmente, assumir alguns riscos.

Garanto que não iremos ganhar todas as batalhas, algumas irão nos ferir violentamente, mas não iremos perder a guerra.

Minha recomendação para driblar esse medo que surge e te boicota te levando de volta para seu lar é apreciar a paisagem.

Cale teus pensamentos, apenas observe a vista, admire, respire, aceite, entregue-se as experiências, viva e aproveite a viagem.

Você pode ser uma pessoa que senta em um grupo para falar do que te aconteceu, de seus amores, fracassos e sucessos, sua liberdade de ir e vir, seus valores que te moldaram e te trouxeram até aqui, nesse momento e, por isso mesmo, te tornam tão interessante ou, você pode ser aquela pessoa que senta em um grupo e apenas escuta, não por ser um bom ouvinte, não por admirar as conversas mas sim por não ter nada a compartilhar.

Faça silêncio agora, reverta a arma que é teus pensamentos, renda-se, baixe a guarda, respire, sorria, respeite-se, esta tudo bem, você esta bem.

Feche seus olhos por alguns segundos, pegue uma grande tesoura imaginaria e corte a corda que impede que o seu barco ganhe o oceano, imagine águas tranquilas, deixe-o seguir seu curso.

 

Bons ventos para todos nós.

Inspire, expire, acorde para o hoje.

Perdido aos 40

Enviar comentário